sábado, 17 de março de 2012

Toma Uma Por Mim


Estava eu saindo do trono, já fechando a porta para que o bafo do eliminado não servisse de reclamação e chacota dos presentes, quando o colega entra vociferando sua indignação diante do que lhe acabara de ocorrer. Como poderia ser isso possível? O flanelinha se recusara a lavar seu carro. Diante na interrogação dos presentes o reclamante passou a destratar o dito cujo. Que era um cachaceiro, só trabalhava o suficiente para comprar a pinga do dia. Que o país não poderia ir para frente com gente daquela laia. Bem feito que pegasse uma cirrose. Que não mais lavaria o carro com aquele vagabundo e que tudo era culpa do “Bolsa Família”. Tomei meu café sossegado, expressando minha concordância com um singelo balançar de cabeça. Joguei o copo no lixo, botei a mochila nas costas e me despedi com meu mais sincero e pra cima polegar. Quando ia saindo no portão vi o sujeito do outro lado da rua, já na calçada do boteco, mas ainda lambendo os beiços, dando mais um tempo para a vontade. Desci o vidro e o chamei. Ele veio desconfiado, pronto para receber minha repreensão. Tirei uma nota de cinco do bolso, disse que achava que ia chover e mandei que tomasse uma por mim.      

Nenhum comentário:

Postar um comentário